Infectados que não tem sintomas são os mais responsáveis pelas infecções no mundo
24/03/2020 17:47 em Novidades

Chamados de pacientes assintomáticos, são responsáveis por mais de 67% das infecções do COVID19 no mundo, segundo a OMS

 

Por: Eduardo Silva

Foto:Picture-Alliance/ A. Khalil

Fonte: OMS/BBC News

 

A maior preocupação da OMS (Organização Mundial da Saúde) nesse momento são os assintomáticos, que são responsáveis por 67% dos infectados pelo novo coronavirus no mundo. Mas o que é assintomático? Assintomático são aquelas pessoas que são portadoras do vírus, porém não apresentam sintomas algum da doença, esse tipo de caso é comum para quase todas as doenças existentes no mundo, o grande problema é que no caso do COVID19 (O novo coronavírus), a taxa de assintomáticos é altíssima, chegando a bater 60% dos infectados.

"Isso é algo que não havia acontecido em nenhuma das epidemias do século passado", explica o professor Merigliano à BBC Mundo (serviço em espanhol da BBC)

Em um estudo realizado em uma pequena cidade no norte da Itália, cientistas chegarama a conclusão que o período de incubação do vírus é de 14 dias e que qualquer estudo e medida para combater essa pandemia deve levar em consideração a população assintomática.

O estudo científico liderado pelo Professor Stefano Merigliano testou mais de 3 mil pessoas, de onde 89 foram diagnosticadas com o novo coronavírus, sendo que mais de 50% não apresentou nenhum sintoma. Outro detalhe que chamou a atenção dos pesquisadores que são da Universidade de Pádua no interior da Itália, foi o fato de que nenhuma pessoa contaminada deixou a cidade nos últimos 6 meses, sendo assim a transmissão do vírus passa a ser comunitária (quando não se sabe a origem do vírus). Isso liga um outro sinal de alerta a humanindade segundo os especialistas.

"Ter essa porcentagem de infectados assintomáticos é perigosíssimo", acrescenta a professora Andrea Crisanti, professor de epidemiologia e virologia do Hospital da Universidade de Pádua e do Imperial College de Londres, "porque essas pessoas seguem suas vidas habituais e infectam um número muito alto de pessoas".

A Cidade mo norte da Itália se chama Vo' Euganeo, por lá, quando o primeiro caso de COVID19 foi comprovado, o prefeito da cidade determinou quarentena total de sua população, somente hospitais, farmácias e super mercados abriam. Foi lá também em Vo' Euganeo que ocorreu a primeira morte por COVID19  na Itália. As medidas do Prefeito Giuliano Martini surtiram efeito e em 14 de março a quarentena acabou depois da cidade registrar seguidamente zero novos casos de COVID19, porém alguns dias depois a doença voltou a aparecer por lá.

Todo essa experiência de Vo' Euganeo nos leva a crer que além da medida de quarentena, devemos também higienizar os ocais publicos, estudos recentes divulgados pela OMS revelam que o vírus sobrevive até 72 horas em superfícies como aço e plástico, com isso vamos aprendendo a cada dia que passa a lutar contra esse novo vilão da humanidade, o COVID19.

"Era de se esperar", afirma Crisanti. "Com que critérios se decide acabar com uma quarentena? Se isso é feito apenas baseando-se na diminuição do número de doentes, está deixando de fora todos os assintomáticos, e isso quer dizer que a doença pode voltar."

Hoje, a importância de ficar em casa é dita repetidas vezes por todos por conta disso, não sabemos quem pode ser assintomático ou não, e o vírus pode ficar durante todo o período de incubação no assintomático e sequer desenvolver um sintoma qualquer, ou até mesmo desenvoler sintomas fracos, como uma leve tosse, por exemplo.

Por esse motivo e com base nos estudos realizados na Cidade de Vo' Euganeo, a OMS emite um alerta a todos os governos ao redor do mundo: quanto mais testes realizarem, maior for a higienização de locais públicos e mais severa for a quarentena, mais rápido a pandemia de COVID19 chegará ao fim, e tudo começa com nós mesmos, respeitando a quarentena e ficando em casa, o governo precisa fazer a parte dele, mas nós temos que fazer a nossa.

COMENTÁRIOS
728x90 - Americanas
728x90